logo
A powerful architecture & Construction theme. Construct your website in the perfect Ratio.
Alienum phaedrum torquatos nec eu, vis detraxit periculis ex, nihil expetendis in mei. Mei an pericula

Recordar Manuel Graça Dias…

Fotografia de Fernando Guerra

 

O legado de Manuel Graça Dias está plasmado em muitas obras mas algumas traduzem melhor o carácter radical e aparentemente espontâneo do que outras, é o caso do Teatro Azul em Almada. O modo como Graça Dias e Egas Vieira trabalharam as formas está patente numa entrevista que li a propósito desta obra, escrita por José Mateus aos arquitectos sobre a cor do edifício. Segundo o próprio, Egas Vieira a propósito do edifício disse; “… numa reunião com o Joaquim Benite, à volta de uma maqueta feita em Roofmate – material azul de isolamento, prático para maquetas rápidas -, surgiu a questão: Esta cor está muito bonita, o teatro vai ser azul, não vai? Não tínhamos pensado nisso mas olhámos um para o outro e concordámos, até porque a pastilha azul, por ser muito usada em piscinas, é muito barata”.

Fotografia de Fernando Guerra

 

Como é evidente o resultado não foi apenas uma consequência deste acto espontâneo, existe por detrás um discurso arquitectónico coerente e que realça uma forte componente neo-expressionista no trabalho de Graça Dias e Egas Vieira. Ao observamos as formas arquitetónicas do Teatro Azul, somos remetidos para os projetos não realizados por alguns arquitectos expressionistas dos anos 20 do século passado, como por exemplo; o projecto de Wassili Luckhardt, para o “Teatro del Popolo” ou ainda, os maravilhosos desenhos de Hermann Finsterlin.

Numa primeira análise da descrição de Egas Vieira até parece espontâneo mas nada é fruto do acaso em Graça Dias mas sim radical.

Teatro del Popolo, Wassili Luckhardt